Como instalar o Fedora Core 8 em modo-texto a partir do LiveCD

Muitos se perguntariam: “Mas porque diabos instalar o Fedora em modo-texto, a partir do liveCD? Para quê então serve o DVD?”Acredito que seria melhor se eu contextualizasse minha situação:

Era início de dezembro. Eu iria instalar o Linux, ou GNU/Linux, se assim quiserem, num notebook de uma amiga da minha irmã, que me pediu para reinstalar o Windows no computador. Até agora não havia escolhido distro alguma. Eu, como não instalo o Windows, falei com ela se ela não queria utilizar um sistema que não tivesse vírus, e todo aquele papo de linuxer para convencer usuários do Windows a usar o pingüim. Expliquei à ela a questão do MSN, Office, músicas ripadas pelo WMP, que não funcionam em outros sistemas, e ela concordou. Afinal, o que perderia com isto?

O notebook era um DELL com 256MB de RAM. Ubuntu? Não. Nunca rodaria nesta configuração.

Então me lembrei do Latinoware – como poderia esquecer? – e de uma palestra que fui sobre o Fedora. Sim, a mesma palestra onde ocorreu o episódio do MPlayer.

Nesta pelastra eu peguei um liveCD e um DVD de instalação do Fedora 8. Quando testei em casa, pelo live, achei fascinante a distro. Desde a animação de boot, onde parece que colocaram o X para rodar no framebuffer(!), até a velocidade e reduzido tempo de boot, para um liveCD, mesmo em minha máquina, que é um Duron 1500 (1334MHz) com 512MB de RAM). Pensei: “Nossa, este Fedora é muito bom. Vamos ver como fica no Notebook.” Cheguei a tirar uma screenshot dele funcionando no meu computador.

Aí começaram os problemas.

Bootei com o DVD, que já havia testado na minha máquina, e funcionado maravilhosamente bem. Mas no notebook não. O computador tinha leitor de DVD, mas dava um erro na hora de carregar a imagem do kernel no DVD. Procuro no google, acho pessoas com o mesmo problema, mas nenhuma solução. Uns diziam que o DVD estava corrompido, mas eu tinha certeza de que pelo menos o boot funcionava.

Sem problemas.

Procuro mais uma vez no oráculo, digo, google, e descubro que é possível instalar o sistema a partir do liveCD. Sem problemas, bastava depois eu utilizar o DVD como um repositório local, segundo a dica do Davidson Paulo.

Pois bem. dando boot com o liveCD do Fedora 8. Nem reclamo dos estranhos serviços carregados, como o Sendmail (para quê o Sendmail num liveCD?).

Mas percebo que o ambiente gráfico não fica muito legal. Muito pesado. O GNOME nem termina de carregar e a máquina já trava. Lhe falta memória.

Então penso e decido utilizar a mesma técnica que utilizei para instalar o Ubuntu numa máquina com menos de 256MB de RAM: matar todos os processos e deixar somente o instalador rodando.

E é isso que faço. Reinicio o notebook, e assim que carrega o X, dou um Ctrl+Alt+F2, logo como root e dou o comando …
# init 3

… para rodar em modo-texto.

Ainda finalizo alguns serviços (já falei do SendMail? ;-)) e inicio o liveinst.

Mas, por padrão, o instalador inicia em modo gráfico. E, acreditem: nem o instalador gráfico roda bem.

Vou ao google novamente e descubro como iniciar o Anaconda (instalador do fedora) em modo texto, como fazemos com o DVD.

A link para a página é este:

http://fedoraproject.org/wiki/Anaconda/Options

E o processo de instalação descrevo abaixo. Mas deixa eu continuar a histórinha. É legal ;-)

Instalo o sistema em modo-texto, reincio a máquina, passo pelo processo pós-instalação, e começo a usar o sistema. Tudo bonitinho. Nada a configurar. Efeitos gráficos – compiz – funcionando bem também. Sabe como é, né? Placa de vídeo Intel e tudo. Dispositivos de rede também funcionando. Embora eu não pudesse testar o Wireless, parecia ter sido reconhecido.

Mas ainda sim estava muito lento. Desativei todos os processos que considerava inútil, mas mesmo assim nada feito. E o som não funcionava. Pensava ser problema de memória (qual a relação?). Então ligo para a dona do nobebook, que já havia comentado que mesmo o Windows XP ficava lento na máquina.

Comprar uma memória. 1GB, para ser mais exato. O lugar mais barato para este notebook (PC 4200) foi na Mr. Byte. R$ 197,00.

Chego na loja, e o cara vai instalar a memória.

Instala o pente no segundo slot, liga a máquina, mas ainda sim lento. E ele já percebe que não é Windows.

Reinicia, acessa o SETUP (tecla F12?) e verifica que o sistema não reconheceu o pente de 1GB.

Depois de vários testes, descobrimos que o segundo slot estava com defeito. Concordamos em colocar o pente de 1GB no primeiro e o de 256MB no segundo, que não funcionaria. Antes 1GB que nada, não é? ;-)

“Isso daqui é Linux?”
“Isso, Fedora.”
“Nossa, que legal. Ele é bem Windows Vista com estes efeitos, né?”

Sinto o espírito Stallmaniano descendo… “O que?!! Ofendendo o Linux chamando ele de RUindow$$? Ai ai, vou quebrar toda essa loja aqui, seus filhos da p%$%%”.

Mas não. Aprendam Linuxers. Vocês têm que se controlar ;-)

“É, mas os efeitos são mais legais”. E mostro o cubo – o desktop do computador -, os efeitos de menu, e tudo mais.

O cara fica espantado. E eu continuo. Explico a questão das limitações do sistema, MSN, jogos, etc, etc, etc. Mas explico para ele da questão da segurança, não ter vírus, e tudo mais. Digo para ele que é muito melhor que o Windows, de graça- me condenem, eu disse rs -, e que eu uso Linux há anos, sem o menor problema.

“É, gostei desse Linux. Qualquer dia eu instalo ele em casa”.

Esta é uma das melhores sensações do mundo, acreditem. Ajudei mais um à ir para o “caminho da luz”. hehe

Chegando em casa, ligo o notebook. Tudo funcionando. E rápido. Adiciono o DVD como repositório. Tudo bacana até aí. O yum é meio lento e instável, mas sem problemas também, já que a dona do notebook provavelmente não vai instalar muita coisa nele. E, se fizer, será por meio gráfico.

Mas o som continuava a não funcionar. Culpa do PulseAudio. Como root funcionava, mas para o usuário não. Pesquiso na Internet sobre as bizarras mensagens de erro, mas nada. Às vezes funcionava, depois de utilizar algum programa como root. Mas parava em seguida. Tento dar um “update” no sistema, mas ainda sim nada feito.

E o instalador gráfico também não era lá muita coisa.

Mas o som não funcionava! Tentei desinstalar o PulseAudio, para ver se havia uma configuração padrão sem ele, mas mesmo assim nada. Passei a odiar o PulseAudio. Me lembrei do primeiro dia que instalei o Slackware, mas neste caso o alsaconf resolveu. Pena que não achei nada do tipo “pulseaudioconf” no Fedora… Permissão do dispositivo de áudio? Usuário no grupo errado? Nada disso… E estava sem tempo paciência para aprender a configurar o sistema.

Assim não dá para ficar. Sem áudio, não dá!

Decido instalar o Ubuntu. 7.10, Gusty. É impossível não rodar bem com 1GB de RAM – por mais pesado que seja… ;-)

Instalo, configuro os drivers de vídeo e Wireless. Tudo automático.

Ao que parece, estava tudo bem. E realmente estava. Efeitos e tudo mais. E ficou assim. Ubuntu. Atualizo o sistema, instalo vários programas úteis. Inclusive vários clientes MSN, como Emesene e Mercury. Além de vários cliparts para o OpenOffice.

No dia de entregar o notebook expliquei para ela certinho como se faz cada coisa, desde gerenciamento de arquivos, compactar arquivos, ditar arquivos do Word, ouvir músicas no banshee, e tudo mais. Mostrei os efeitos – que, nestas horas confirmei que servem mais para impressionar os outros… – para ela, e disse que, tendo qualquer dúvida, me mandar um e-mail ou ligar pra mim.

Uma captura de tela do sistema instalado e funcionando pode ser encontrada no link:

http://www.vivaolinux.com.br/screenshots/verScreenshot.php?codigo=11273

Bem… Até agora não mandou nenhum e-mail. Das duas uma: ou gostou do sistema, ou não gostou, instalou um “Windão” no lugar e nem quis avisar para não parecer chato…

Mas, que tal eu parar de enrolação e começar o tutorial? Deixo claro aqui que as capturas de tela aqui apresentadas foram feitas numa máquina virtual (e fiquei com preguiça de editar as imagens para não pegar os menus), e não num computador real, embora tenha sido o mesmo processo feito no notebook em questão. A configuração da máquina virtual e do hospedeiro é a seguinte:

Hospedeiro: Duron 1500 com 512MB de RAM e Slackware-12.0 com kernel 2.6.23-12, e o software utilizado foi o VirtualBox-OSE-1.54.
Máquina Virtual: 200MB de RAM e HD de 10GB.

Tendo isto em mente, vamos começar!

###

Descrevo aqui o processo utilizado para instalar a distribuição Fedora Core 8 em “modo-texto” à partir do LiveCD da distro. O computador testado foi um notebook DELL – que não lembro o modelo rsr – com processador Celeron 1,6GHz, um HD de 30GB e 256MB de RAM e leitor de DVD e gravador de CD. Mas é óbvio que funciona em qualquer computador de configuração equivalente ou superior.

Primeiramente coloque o liveCD no leitor de CD e reinicie o computador. Escolha o dispositivo de boot como sendo o CD-ROM. Isto normalmente é feito por meio do utilitário SETUP, que é chamado pela tecla Delete, ou, em algumas placas-mãe, pela tecla F8, logo após a contagem da memória. No notebook em questão a tecla era F2 (ou F12?).

Quando aparecer a tela do Fedora, uma azul com o logo da distribuição, pressione qualquer tecla. Mova o cursor na primeira opção e pressione a tecla tab.

Mova o cursor do teclado até o final da linha, digite um “3” e pressione <Enter>.

Este passo serve para iniciar o sistema sem carregar o servidor gráfico; somente em “modo-texto”.

Espere então o processo de boot.

Quando aparecer a tela de login, digite root e pressione <Enter>.
Não será pedido uma senha.

Agora vamos editar o script que chama o instalador do Fedora, para que não utilize o X:
# vi /usr/sbin/liveinst

Mova-se até a linha 33 (:33), e adicione no final dela (antes de “fechar” as aspas-duplas) o texto “–text”.

A linha ficará como:
ANACONDA=”/usr/sbin/anaconda –method=livecd://$LIVE_BLOCK –Iang $LANG –text”

Salve e feche o arquivo (<Esc>, :x!)

Logo após isto, execute o instalador do Fedora:
# /usr/sbin/liveinst

Será então apresentada uma tela de boa-vindas.

A navegação no instalador é feita com as teclas direcionais, e as teclas Tab e Enter.

Selecione o layout de teclado…

Particione o seu disco…

Você será questionado se quer mesmo aplicar as mudanças no disco…

Se o sistema achar que você tem pouca memória, irá perguntar se ele deve criar uma swap para a instalação. Como este é o nosso caso, aperte Yes.

 

Você será questionado se quer configurar a placa-de-rede.

Aperte o botão ‘yes’ e selecione se quer utilizar IPv4 ou IPv6 para a placa.

Configure o IP da máquina, ou deixe o padrão para DHCP:

Será pedido também o fuso-horário da máquina…

… E a senha do super-usuário…

Logo após o instalador te informará a localização do arquivo de log da instalação. Pressione OK e a cópia dos arquivos começará.

Aguarde alguns instantes até que a cópia termine…

… e seja realizado o processo pós-instalação.

Uma mensagem lhe dirá que a instalação foi bem-sucedida. Aperte <Enter> para sair do instalador.

Já no prompt do bash, reinicie o computador com o comando:

# reboot

Depois que a máquina reiniciar, no grub, aperte qualquer tecla para parar o timer.

Aperte e tecla “e” para editar as opções de boot.

Mova o cursor para a segunda linha, a que inicia com “kernel…” e pressione novamente “e”. Mova-se até o final da linha, insira um caractere “3” e pressione <Enter>. Pressione “b” para iniciar o boot.

Será aberto um diálogo onde você pode rever algumas configurações da instalação, tais como autenticação, etc.

Se não for realizar nenhuma das opções mostradas, simplesmente selecione “Sair”.

Pronto. Agora você já tem o Fedora 8 funcionando no seu sistema.

Basta se logar como root com a senha que definiu na instalação, e terá um sistema totalmente funcional.

Para ativar a rede, no caso de DHCP, execute:

# dhclient eth0

Para instalarem novos programas, usem o yum:

# yum install finch # finch é o pidgin em modo texto. Muito legal ;-)

E é isto. Caso queiram que o sistema inicie sempre em modo-texto, abram para edição o arquivo /boot/grub/menu.lst. Localizem a linha 16, e adicione um 3 no final dela.
Ela ficará assim:

kernel /vmlinuz-2.6.23.1-42.fc8 ro root=/dev/VolGroup00/LogVol00 rhgb quiet 3

Reinicie o computador e ele estará, por default, no nível de execução 3 do Init, em modo texto.

Até a próxima.

Anúncios

7 Comments

  1. Posted janeiro 23, 2008 at 8:50 | Permalink

    Leandro,

    O teu relato nos deu mais experiência e informações úteis para o nosso dia-a-dia com o pinguim. Essa dica em modo texto da instalação do fedora irá facilitar a nossa vida em certas situações, principalmente em máquinas com pouca memória, agilizando a sua instalação.

    Observando o teu relato e mais especificamente o problema do som que teves com o fedora 8, esse problema se deve por causa que você na hora de desabilitar todos aqueles serviços para ganhar mais memória, deve ter desabilitado o serviço ConsoleKit.

    Este serviço é responsável por ajustar e botar pra funcionar certos hardwares no Fedora. Por exemplo, se o serviço não fora carregado no boot, o som deixa de funcionar, pen driver não são reconhecidos e darão erro não hora de abrir pelo konqueror via KDE.

    Tive o mesmo problema a algum tempo atrás a descobri este problema, da seguinte forma. Quando instalei o fedora 8 LiveCD na minha máquina onde trabalho e todos os perfiféricos funcionavam perfeitamente, realizei a desativação dos serviços que achei não ser necessários, atualizei o sistema e obtve o problemaa já citado por ti. Achei que fosse atualização. Então procurei em vários foruns e nada de solução. Aí pensei, então porque tudo estava funcionando antes da atualização ? Logo, descartei a atualização e fui para o mais obvio. Alguns daqueles serviços que desabilitei era responsável por este problema.

    Então, reinstalei novamente o fedora 8 LiveCD e fui testanto que serviço (ConsoleKit) era o responsável por botar pra funcionar o som da minha máquina e pendrives.

    Estou trabalhando com o fedora a alguns meses e digo que é uma das ditros mais rápidas da atualidade e muitos estável. Longa vida ao Fedora.

    Bom, espero ter ajudado a compartilhado conhecimentos e experiências com o linuxers de plantão.

    Obrigado pelo atenção de todos e até a próxima.

    ————-
    Márcio Moraes
    RedLinks Team

  2. Posted janeiro 23, 2008 at 8:55 | Permalink

    “Sinto o espírito Stallmaniano descendo… ”

    hahahaha sai que este corpo não te pertence….

    Cara, add nos favoritos aqui, acho que vou brincar disso aqui no celerão, faz muito tempo que não brinco com o fedora (desde o 4 que me deixou muito P da vida), agora sendmail num live-cd, ninguém merece.

  3. Posted fevereiro 26, 2008 at 14:37 | Permalink

    Nunca usei o LiveCD do Fedora (nota mental, odeio LiveCDs!), mas no DVD de instalação, você pode usar a opção linux text. Acho que é isso, e ele instala em modo texto também :)

    Eu uso mesmo é a opção linux reiserfs, odeio o EXT3.

  4. Posted junho 30, 2008 at 14:31 | Permalink

    Ola prezados xtou muito feliz por aceder ao vosso site, ja agora de manter o intercambio de informaçoes a reispeito do supra citado.
    Vivo em Luanda\Angola\Africa stou cada vez mais interessado em conhecer o Linux na instalaçao e no seu uso

  5. Alexandre
    Posted setembro 29, 2008 at 1:36 | Permalink

    Eu consiguo instalar o Linux fedora 8 e manter o windows XP instalado no meu notebook?

  6. Posted novembro 2, 2009 at 12:34 | Permalink

    So uma observacao o texto que tem que acrescentar no liveinst e’ –text e nao -text

  7. Fthrash
    Posted junho 19, 2010 at 0:47 | Permalink

    Como fazer isto no fedora 11, esta dando um erro que não consegui desmonta a partição “/media/*”.
    Já coloquei um monte de endereços e não esta dando certo

2 Trackbacks

  1. […] por Leandro Santiago (leandrosansilvaΘgmail·com) – referência […]

  2. By O Mundo do Wordpress « Democracia LTDA on janeiro 23, 2008 at 22:31

    […] as provas de que a situação financeira do Santos é grave. No ano passado, o clube pegou […]Como instalar o Fedora Core 8 em modo-texto a partir do LiveCD Muitos se perguntariam: “Mas porque diabos instalar o Fedora em modo-texto, a partir do liveCD? […]

Comente

Required fields are marked *

*
*

%d blogueiros gostam disto: